Busca:
Bem vindo(a) | Meu Cadastro | Loja Virtual | Carrinho de Compras (R$ 0,00)
Assine a Newsletter | Ouvidoria | Fale Conosco
shell

1073 - REVISTA BRASILEIRA DE PSICODRAMA - VOLUME 15 - NÚMERO 2 - ANO 2007

SUMÁRIO

EDITORIAL ......................................................................................... 9

SEÇÃO TEMÁTICA
Ensinar, aprender, pesquisar psicodrama

A construção de personagens no psicodrama ................................. 13
Milene De Stefano Féo
Resumo
Neste artigo, apresento algumas propostas, para diretores e egos auxiliares
referendarem o exercício de seus papéis profissionais na construção
de personagens, ocorridas no espaço psicodramático de uma sessão, de
um ato ou de processo socionômico. Desenvolvo tais referências articulando
teorias que habitam universos estrangeiros ao psicodrama, tais como a
psicanálise freudiana, a kleiniana, a bioniana, a winnicottiana e a concepção
trágica do existir humano trazida por Nietzsche. Aponto que a vontade de
onipotência - de ser deus -, encontrada nos seres humanos e abordada de
diferentes maneiras nestes campos de conhecimento distintos e na obra
moreniana, oferece a nós, psicodramatistas, um caminho de invenção de
novas zonas de sentido para o exercício de nosso papel profissional.

Bem e Mal-estar no grupo: entre continuidade e ruptura................ 27
Altivir João Volpe, Erich Montanar Franco
RESUMO
O percurso acadêmico é marcado por diversos momentos de transição,
e as dificuldades inerentes a esse processo ecoam nas mais variadas
formas dentro de uma instituição de ensino. O presente trabalho discute
uma atividade grupal realizada com estudantes do 6º semestre de Psicologia,
momento de escolha do tema e do orientador para a realização do
Trabalho de Graduação Interdisciplinar. Pretende-se oferecer um espaço
de reflexão e apropriação de desejos e ansiedades típicos desse momento
do curso. O trabalho grupal realizado proporcionou um espaço suficientemente
acolhedor para a elaboração de alguns conflitos e ambivalências
próprios do percurso acadêmico. Fica clara a necessidade do aprofundamento
dos mecanismos de escuta institucional.

Telepsicodrama não é conserva cultural .......................................... 35
Heloísa Dupas Penteado
Resumo
O presente artigo analisa o telepsicodrama socioeducativo, um projeto
de Jacob Levy Moreno, à luz de dois conceitos fundamentais para a
sua compreensão: o conceito de conserva cultural de Moreno e o conceito
de obra aberta de Humberto Eco. Tendo por referência pilotos de
telepsicodramas socioeducativos produzidos experimentalmente como
resultado de pesquisas, é considerado um produto cultural novo, que
remete necessariamente ao processo de mudança cultural e às suas características
em dois tipos de sociedades: conservadoras e inovadoras.
Busca-se com sua produção colaborar com a faceta criativa da mídia TV,
neste momento em que a sociedade tecnológica parece despertar para o
subaproveitamento de seu potencial educativo, reivindicando, por meio
de movimentos de organizações internacionais, a sua qualificação pela
superação do uso comercial inescrupuloso, consumista e antiético que
a tem caracterizado.

Processando o processamento......................................................... 47
Érica Zaghetto, Alan Dubner
Resumo
Os autores escrevem sobre a importância do processamento na metodologia
psicodramática a partir de uma pesquisa de opinião sobre o
processamento com psicodramatistas, além de entrevistas com Zerka Moreno,
Dalmiro Bustos, Márcia Karp e Sergio Perazzo e pesquisa bibliográfica
sobre o assunto.

Dez anos de parceria: a história do curso
"Formação em psicodrama", do Convênio Sopsp / PUC-SP ............. 59
Lilia Ancona Lopez, Marcia Almeida Batista,
Maria Cezira Fantini Nogueira-Martins, Marilia Josefina Marino
Resumo
O tema desenvolvido pelas autoras é o histórico do curso "Formação
em Psicodrama", do Convênio SOPSP / PUC-SP, e seu estágio atual. Para
tanto, apresentam a estrutura geral das entidades que compõem a parceria,
a estrutura do curso e os resultados de uma pesquisa de avaliação do
projeto educacional do curso, realizada com os professores.

Pesquisa e psicodrama .................................................................... 71
Mariângela Pinto da Fonseca Wechsler
Resumo
O texto evidencia as filiações epistemológicas que embasam a pesquisa
no campo socionômico: a fenomenologia-existencial, a dialética
marxiniana e a sistêmica construtivista/pensamento complexo. Partindo
da experiência da autora em psicodrama, nos pressupostos construtivistas
piagetianos e sistêmicos, articulando-os ao pensamento complexo, propõe
uma síntese com quinze categorias que orientam o pesquisador-psicodramatista
no seu percurso em sua demanda de trabalho.

Epistemologia da socionomia e o psicodramatista
pesquisador .................................................................................... 79
Maria da Penha Nery
Resumo
A autora reflete sobre a importância da epistemologia da socionomia e
sobre os desafios do psicodramatista pesquisador. A partir do pressuposto
de que a subjetividade se desenvolve e se expressa por meio da intersubjetividade,
a socionomia estuda, por meio de métodos de ação, o ser-humano-
em-relação. Algumas críticas espistemológias aos conhecimentos
socionômicos referem-se à ausência de padronização do método de ação
e à carência de teorias e de procedimentos de análise da vivência dramática.
Trata-se de uma vivência que permite a encenação da fantasia, indo
além das interações sociais. Os suportes epistemológicos à socionomia
derivam do fato de ela se coadunar com os atuais paradigmas qualitativos
científicos. O psicodramatista pesquisador tem os principais desafios de
desenvolver a teoria e os métodos de análises socionômicos que reflitam
a especificidade de sua epistemologia e de ampliar as pesquisas de indivíduos
e de grupos sociais pouco estudados pela academia.

Psicodramatista: pesquisador?! ....................................................... 93
Andrea Raquel Martins Corrêa
RESUMO
Este artigo propõe uma reflexão sobre o papel do psicodramatista,
que, em sua prática de intervenção profissional com grupos, pode ser
também pesquisador. Ser pesquisador, nesta perspectiva, não significa
desenvolver projetos acadêmicos específicos, voltados para a construção
do conhecimento e vinculados a pressupostos científicos tradicionais. A
discussão do texto, de outro modo, possibilita considerar como psicodramatista
pesquisador o profissional que articula a prática à teoria, assumindo
a responsabilidade de ser sujeito ativo na construção permanente
do conhecimento. Uma das formas de conhecimento do psicodrama, vale
destacar, é a própria dramatização que, apesar de ser seu principal diferencial,
ainda carece muito de investigação.

SEÇÃO LIVRE

Um novo homem: uma abordagem psicodramática
da construção da identidade masculina ........................................ 103
Jamil Aidar
Resumo
O autor discute o trajeto da construção da identidade masculina sob
um enfoque psicodramático. Discute a maneira pela qual a conserva cultural
dita parâmetros de adequação ao indivíduo através da inter-relação,
inicialmente familiar, seguindo-se por grupos sociais mais complexos, definindo
sua rede sociométrica. O desempenho de papéis em cada fase será
importante para a construção da identidade masculina. São discutidas as
mudanças sociais das últimas décadas, que vêm motivando mudanças na
conserva cultural e, conseqüentemente, nas inter-relações, levando ao aparecimento
de uma crise na masculinidade e ao surgimento de um "novo
homem". O texto aponta para uma certa inquietação social relacionada à
adequada estruturação da masculinidade, que demanda intensa e contínua
monitorização. Finaliza apontando a crise da masculinidade como um
movimento de retomada da espontaneidade do homem no desempenho
de seus papéis, descortinando novas possibilidades relacionais.

ARTIGOS PREMIADOS COM O "PRÊMIO FEBRAP 2006"

A personagem relacional ............................................................... 119
Luís Falivene Alves
RESUMO
O autor traz a idéia de personagem relacional, construída durante o
desenvolvimento de cada indíviduo, representando a expressão sociométrica
do ego. Em situações de sobrevivência ou adaptação sociométrica,
essa personagem manter-se-á conservada, influenciando todos os papéis
exercidos por ela.

Uma reflexão sobre a linguagem do sentido na obra
"As palavras do Pai", de J. L. Moreno ............................................ 127
Adoniran Possan
RESUMO
Neste texto, defendo a tese de que, ao fazermos uso de um certo
modelo teológico para a interpretação do livro "As palavras do Pai", encontramos
nele uma hermenêutica que trata da linguagem do sentido, a
qual nos permite um aprofundamento das motivações que levaram Moreno
a escrevê-lo, ao mesmo tempo em que nos aproxima da compreensão
da sua criação maior, o psicodrama.

DIÁLOGO ELETRÔNICO

Ensinar, aprender, pesquisar psicodrama ....................................... 139
Stela Fava e Moysés Aguiar




de: R$ 30,00

por: R$ 20,00